sexta-feira, 12 de agosto de 2016

chuvas de meteoros no céu do Brasil



Chuva de meteoros: Perseida

Fonte: Veja 

Uma das melhores chuvas de meteoros do ano vai iluminar o céu na madrugada desta sexta-feira. O auge do fenômeno Perseidas acontece por volta das 5h, pouco antes do nascer do Sol, e promete uma frequência de até 20 meteoros por hora no Brasil. O evento poderá ser visto em todos os estados do país, especialmente nas regiões Norte e Nordeste.
“Os meteoros poderão ser vistos a olho nu, a partir das 3h30 até o amanhecer. Será necessário olhar na direção Norte do céu e ser persistente para enxergar as ‘estrelas cadentes’”, explica o astrônomo Daniel Mello, do Observatório do Valongo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Rastros de cometas

Chuvas de meteoros são causadas por vestígios de cometas que, ao atingirem a atmosfera terrestre, entram em combustão. Assim, é possível acompanhar por alguns instantes a trajetória iluminada desses fragmentos que parecem despencar do céu – por isso, são conhecidos como “estrelas cadentes”.
O fenômeno Perseidas acontece quando a Terra passa, periodicamente, pelos estilhaços rochosos deixados pelo cometa 109P/Swift-Tuttle, descoberto em 1862 por Lewis Swift e Horace Parnell Tuttle.
O local de onde os meteoros parecem se originar, chamado radiante, é a constelação de Perseu, de onde vem o nome da chuva de meteoros. Ela fica na parte Norte do céu – por isso é preciso olhar para essa direção para identificar os meteoros. Também por essa razão o fenômeno costuma ser melhor para os moradores do Hemisfério Norte, que poderão acompanhar até 100 meteoros por hora. Nos países abaixo da linha do Equador, a frequência de meteoros é menor, pois o radiante não fica em uma posição alta no céu, o que prejudica a visualização dos rastros brilhantes.
Este ano, a Lua em sua fase crescente não deve atrapalhar a visualização do evento, que precisa de céu bem escuro e limpo para se observado. Para acompanhar os meteoros é preciso paciência, pois eles aparecem inesperadamente e é comum que haja longos períodos sem atividade.
“O ideal é procurar um lugar de céu mais escuro possível, afastado das luzes da cidade e programar de uma a duas horas de vigília, para que os olhos se acostumem com a escuridão. Nada de olhar para o celular a cada 5 minutos!”, orienta Gustavo Rojas astrônomo e físico da Universidade Federal de São Carlos (UFScar).

Previsão do tempo

A falta de nuvens no céu também deve ajudar a observação do fenômeno. A previsão é de tempo firme e seco na região Sudeste, Sul e Centro-Oeste, com tempo frio e algum nevoeiro pela manhã; enquanto na região Nordeste está previsto tempo firme, com nebulosidade no Sul da Bahia e no Maranhão. A região Norte tem tempo firme e seco.

presídio será construído em Afonso Bezerra/RN Com capacidade para 600 presos




Fonte: Agora RN 

Um novo presídio será construído em breve no Rio Grande do Norte. Segundo o secretário da Justiça e da Cidadania (Sejuc), Walber Virgolino, a unidade prisional irá abrigar cerca de 600 presos e vai ser erguida na cidade de Afonso Bezerra, localizada na região Central do Estado.
A obra será orçada em cerca de R$ 20 milhões e os recursos são provenientes do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Norte (TJRN). O anúncio de liberação da verba foi feito no dia 19 de maio deste ano pelo presidente do TJ, desembargador Cláudio Santos. Já a disponibilização do montante foi aprovado pela Assembleia Legislativa (AL) no dia 14 de junho.
Ainda de acordo com Virgolino, a decisão de construir o presídio em Afonso Bezerra aconteceu por causa da composição do terreno e de outros fatores. “Nós decidimos construir lá em uma área afastada da cidade, isso porque o sinal de celular é precário e também o terreno é rochoso, o que dificulta as fugas”, comenta o titular da pasta.
Do Nominuto

Terremoto de magnitud 7,6 desata alerta de tsunami en el Pacífico sur


Última Hora

Fonte: BBC 

Un terremoto de magnitud 7,6 provocó que se emitiera una alerta de tsunami en el Pacífico sur para Vanuatu, Nueva Caledonia y Fiji.
El aviso fue emitido por el Centro de Alerta de Tsunami en el Pacífico, instalado en Hawái (Estados Unidos).
El Servicio Geológico de EE.UU. localizó en epicentro a poco más de 100 kilómetros al este de Nueva Caledonia.
Más información en breve.

sexta-feira, 13 de maio de 2016

Ministro do Planejamento fala em corte de 4.000 cargos comissionados

Estimativa anunciada por Romero Jucá deve ser cumprida até o fim do ano. Número inclui cargos de confiança e funções gratificadas

Por: Eduardo Gonçalves, de Brasília - Atualizado em
Romero Jucá (PMDB-RR), 2º vice-presidente do Senado`
Romero Jucá (PMDB-RR), ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão(Agência Câmara/VEJA)
Após reunião ministerial com o presidente interino Michel Temer, o novo titular do Planejamento, Romero Jucá, afirmou nesta sexta-feira que o governo pretende cortar 4.000 cargos de confiança e funções gratificadas até o dia 31 de dezembro deste ano. Ele concedeu entrevista ao lado dos ministros Eliseu Padilha, da Casa Civil e Ricardo Barros, da Saúde.
"Em 31 de dezembro teremos diminuído 4.000 postos desse tipo de contratação (comissionados, funções gratificadas, entre outros). Isso representa o dobro do que o governo anterior havia anunciado e não foi cumprido", afirmou Jucá. No entanto, ele errou no cálculo - em outubro do ano passado, a então presidente Dilma Rousseff anunciou que extinguiria 3.000 cargos comissionados do seu governo, o que, de fato, não foi concretizado nos meses seguintes.
"Nós vamos rever a estrutura organizacional dos ministérios. Alguns já foram, em tese, encerrados ou recepcionados por outros ministérios. Isso implica num ajuste de estrutura organizacional", afirmou Jucá, um dos aliados mais próximos de Temer. Ele ressaltou que o número é uma meta que pode ser ampliada, conforme a necessidade.
O ministro também afirmou que os cortes poderão ultrapassar os 4.000 postos e contemplarão também empresas e bancos públicos, como a Petrobras, Banco do Brasil e BNDES. Segundo ele, bancos e empresas também estão sujeitos ao que chamou de "novo ordenamento de comando": mais simples e direto. "O poder público deve servir à sociedade, gastar menos com meio e mais com a atividade-fim", diz.
Jucá disse ainda que a economia que o governo pretende fazer com a medida será anunciada "no momento certo". "Isso não resolve a questão do gasto público e meta de déficit, mas é um posicionamento que o governo deve tomar como exemplo para a sociedade", justificou.
Leia mais:
Prioridade é controlar o crescimento das despesas públicas, diz Meirelles
Governo quer autorização para rombo fiscal maior
Reformas - Ao comentar as reformas que devem ser empreendidas, Jucá citou especificamente a da Previdência e reforçou que o governo interino irá avançar com segurança jurídica, para não ser obrigado a recuar.
"Não queremos ver o Brasil passar o que passaram há alguns anos a Grécia e a Itália, que reduziram pagamentos a aposentados", disse o ministro, acrescentando que a decisão de transferir a Previdência para o Ministério da Fazenda faz parte de uma ação técnica para construir "algo sustentável". "Queremos um conjunto de ações para queda da inflação, queda da taxa de juros e retomada do crescimento", acrescentou o novo ministro do Planejamento.
O anúncio ocorreu após a primeira reunião ministerial do governo do interino Temer, que assumiu a Presidência da República nesta quinta-feira após Dilma Rousseff ser afastada do cargo para responder à denúncia de crime de responsabilidade no Senado.
Meta fiscal - Jucá informou que a nova meta de superávit primário -- que prevê um rombo de 96,65 bilhões de reais nas contas públicas -- deve ser aprovada na semana que vem com as "ressalvas necessárias", ou emendas.
"Teremos certamente um défcit fiscal superior aos 96 bilhões de reais que estão colocados no projeto de lei enviado ao Congresso", disse o ministro da Saúde Ricardo Barros (PMDB-PR), que foi escolhido para conversar com a imprensa por ter sido relator do Orçamento de 2016.
Segundo Barros, o orçamento inicial previa receitas oriundas da recriação do imposto do cheque, a CPMF, que foram rechaçadas pelo Congresso. Ele também destacou o impacto da arrecadação em queda e da dívida dos Estados nos cofres públicos.
O governo tem até a próxima semana para aprovar a mudança fiscal, por meio de projeto de lei, caso contrário pode ser obrigado a fazer um contingenciamento ainda maior dos gastos.

segunda-feira, 9 de maio de 2016

Suposta dupla remuneração de prefeito de Lajes é alvo de investigação

Benes_Leoc_dio_Prefeito_de_Lajes_e_da_FEMURNO desembargador Dilermando Mota autorizou a instauração de procedimento investigatório criminal, requerido pelo Ministério Público, com o objetivo de apurar os fatos objeto da Notícia de Fato nº 056/2016, que envolve o prefeito de Lajes, Benes Leocádio.
O objetivo é confirmar o eventual recebimento simultâneo de remuneração da Assembleia Legislativa do RN e do Município de Lajes, em cargos não acumuláveis constitucionalmente, e sem a respectiva prestação de serviço. A autorização foi publicada no Diário da Justiça Eletrônico desta segunda-feira (09).
A Representação que pede a instauração de procedimento investigatório criminal é resultado do que ficou decidido, recentemente, no julgamento do Agravo Regimental nº 2015.008721-1/0001.00, de relatoria do desembargador Cornélio Alves. No julgamento, entendeu-se que era imprescindível a autorização do Tribunal de Justiça para instauração de investigação criminal contra agente público detentor de foro especial por prerrogativa de função.fonte blog robson pires

segunda-feira, 2 de maio de 2016

03 DE MAIO FERIADO MUNICIPAL EM LAJES >> Dia de visitar a Capela da Divina Santa Cruz

O dia 03 de maio é uma data em que muitos fiéis tanto de Lajes, como de toda região, desde muito tempo realizam uma romaria a Serra do Feiticeiro para visitar, rezar e pagar promessas na capela da Divina Santa Cruz.
Em virtude disso, esse dia passou a ser feriado em nossa cidade, instituído através da Lei Municipal nº 517/10, de autoria do então vereador Canindé Rocha, por reconhecer a importância dessa data, por seu contexto religioso e também como forma de incentivar o desenvolvimento do potencial turístico que aquele lugar oferece, além de uma bela paisagem natural, servindo como fonte de estudos e pesquisas sobre a caatinga e toda sua diversidade de fauna e flora.


A luta
Pensando na preservação da Serra do Feiticeiro foi também apresentado pelo então vereador Canindé Rocha, a transformação da área da Serra do Feiticeiro em uma APA (Área de Proteção Ambiental), proposta essa que não foi aceita por alguns vereadores que argumentaram que isso dificultaria outras atividades econômicas ali desenvolvidas.
Com relação a isso foi apresentado por Canindé Rocha e aprovado pela câmara municipal em 2012, um Requerimento solicitando a realização de uma audiência pública para que isso viesse a ser discutido juntamente com os vários órgãos ligados ao tema e também com toda a população lajense.
As parcerias
Outro fator bastante positivo relacionado a essa beleza natural que nossa cidade tem, é a escalada a Serra do Feiticeiro no dia (03 de maio) é a parceria entre a Escola Estadual Pedro II e a Secretaria Municipal de Educação que leva alunos e professores o que tem movimentado bastante aquele local com várias atividades culturais.
A associação lajense Trilheiros da Caatinga que sempre tem realizado excursões a Serra do Feiticeiro nesta e outras datas sempre tem sido uma grande parceira nesse trabalho de divulgação turística e preservação ambiental.
A prefeitura municipal ajuda na infraestrutura com o serviço melhoramento das estradas e também através da Secretaria Municipal de Agricultura e Meio Ambiente que sempre se faz presente com distribuição de mudas e apoio para os visitantes e ainda com a presença de carros de apoio e ambulância para qualquer eventualidade.

terça-feira, 19 de abril de 2016

Movimentos de rua vão pressionar Renan Calheiros sobre rito de impeachment no senado

Após a aprovação do impeachment da presidente Dilma Rousseff na Câmara, o MBL (Movimento Brasil Livre) voltará suas atenções para o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), que tem que definir o calendário de tramitação do processo de impeachment na Câmara.
Interlocutores do movimento no Senado temem que Renan pretenda retardar o processo para atingir o vice-presidente Michel Temer (PMDB). O MBL acredita que Renan pretende prorrogar o período de Temer no “limbo” entre a vice-presidência e a Presidência, para desgastá-lo.
Para pressionar o presidente do Senado, o MBL pretende fazer uma ação que atingirá os candidatos a prefeito em municípios de Alagoas que são ligados a Renan e seu filho, o governador Renan Filho (PMDB).
“A gente vai atrás de todos os candidatos a prefeito em Alagoas ligados ao Renan pai e Renan Filho, vamos atrás dos caras, vamos fazer bombardeio de Whatsapp em ano eleitoral”, explicou Renan Santos, um dos líderes do MBL. “Basicamente [vamos atrás de] todo o tecido de alianças regionais que eles fazem lá em Alagoas para o Renan parar de ficar com frescura”, acrescentou.
“A ideia que eu quero é que o prefeito lá de uma cidade do interior fale: ‘ô, Renan, tão me enchendo o saco, Renan, bota isso para andar porque, se não, vai me atrapalhar na eleição aqui’. E atrapalhar o filho dele, no caso”, disse. “Vamos atrapalhar o tecido coronelista do Renan ali na região dele porque é disso que ele vive, é disso que ele se alimenta”, concluiu.
Segundo o líder do MBL, o grupo de ativistas já tem uma base em Maceió. Lideranças nacionais também irão visitar a capital e outras cidades de Alagoas. “Se a gente tiver dinheiro, vamos botar outdoor lá na cidade dos caras. A ideia é isso: atrapalhar o Renan onde o Renan precisa. O coronel só se mantém coronel fazendo os prefeitinhos, então vamos atacar os prefeitinhos dele.”
FolhaPress

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Estou tendo meus sonhos e direitos torturados', diz Dilma

Presidente fez seu primeiro pronunciamento na tarde desta segunda-feira, após a aprovação do impeachment na Câmara dos Deputados

Por: Felipe Frazão, de Brasília - Atualizado em
A presidente Dilma Rousseff concede entrevista coletiva para comentar o processo de impeachment
A presidente Dilma Rousseff concede entrevista coletiva para comentar o processo de impeachment aberto contra ela pela Câmara dos deputados neste domingo (17). A entrevista ocorreu no Palácio do Planalto, em Brasília (DF) - 18/04/2016(Pedro Ladeira/Folhapress)
Em seu primeiro pronunciamento depois da derrota na votação do impeachment na Câmara, a presidente Dilma Rousseff afirmou nesta segunda-feira que se sente injustiçada e voltou a negar que tenha cometido crime de responsabilidade. Eu me sinto injustiçada porque esse processo não tem base de sustentação", disse a presidente. "Me sinto indignada com a decisão que recepcionou a admissibilidade do impeachment." A presidente lembrou ainda o período em que esteve presa durante a ditadura militar. E afirmou: "Estou tendo meus sonhos e meu direito torturados. Agora, não vão matar em mim a esperança porque sei que a democracia é sempre o lado certo".
Dilma estava abatida, com olhos irritados e avermelhados. Chegou a embargar a voz algumas vezes durante o pronunciamento, mas se segurou para não chorar frente às câmeras. Ela também repetiu ao longo do pronunciamento a frase "saio desse processo". No entanto, indicou de novo que não renunciará ao cargo.
"Eu tenho ânimo, força e coragem suficientes para enfrentar essa injustiça, apesar de muita tristeza. Eu não vou me abater, não vou me deixar paralisar por isso", disse. "Podem ter certeza: eu continuarei lutando e vou enfrentar todo o processo. Vou participar e me defender no Senado e quero dizer aos senhores, ao contrário do que anunciaram, não começou o fim. É o início da luta, longa e demorada. Ela envolve o meu mandato, mas não é por mim, e sim pelos 54 milhões de votos que tive", prosseguiu.
Questionada sobre a hipótese de encurtar o mandato para convocação de eleições gerais, ela respondeu: "Não estou avaliando agora". O tom é diferente do que vinha adotando, quando afirmava que não renunciaria em hipótese alguma. Dilma disse, porém, que "todas as alternativas democráticas e legais são viáveis ", em referência à proposta que circula em setores do PT e no Parlamento, de convocação de eleições gerais antecipadas por meio de uma Proposta de Emenda Constitucional.
Dilma o governo vai exercer em todas as dimensões e consequências o direito de defesa. A AGU planeja provocar o Supremo para que a corte se manifeste sobre o mérito da acusação de crime de responsabilidade, baseada nas pedaladas fiscais e da edição de decretos não numerados, sem aval do Legislativo.
Temer - Pouco antes do pronunciamento, Dilma recebeu a visita do presidente do Senado, o peemedebista Renan Calheiros (AL), que lhe informou sobre o andamento do processo de afastamento no parlamento. Minutos depois do encontro, Dilma centrou fogo em dois caciques do PMDB, o vice-presidente Michel Temer, e o presidente da Câmara, Eduardo Cunha, ambos acusados de chefiarem um golpe.
"É extremamente inusitado, estranho, mas sobretudo estarrecedor que um vice-presidente no exercício do seu mandato conspire contra a presidente abertamente. Em nenhuma democracia do mundo uma pessoa que fizesse isso seria respeitada. Porque a sociedade humana não gosta de traidor. Cada um de nós sabe também a dor que se sente quando se vê a traição no ato", disparou.
Dilma também questionou a legitimidade de um eventual governo interino do PMDB, caso o Senado venha a decretar seu afastamento por até seis meses. "Nenhum governo será legítimo sem ser por obra do voto secreto, direto, numa eleição convocada previamente para esse fim, na qual todos os cidadãos brasileiros participam. Não se pode chamar de impeachment o que é uma tentativa de eleição indireta. Essa eleição indireta se dá porque aqueles que querem me suceder no poder não têm votos."
Ela repetiu a tese de defesa da Advocacia-Geral da União (AGU), já desconsiderada pelo Supremo Tribunal Federal, de que Cunha agiu em vingança ao aceitar a denúncia do impeachment porque o governo não aceitou negociar os votos do PT no processo contra ele no Conselho de Ética da Câmara. "O rosto estampado na imagem transmitida para o mundo é o rosto do desvio de poder, do abuso de poder, do descompromisso com as instituições e com as práticas éticas e morais", declarou a presidente. "Não há contra mim nenhuma acusação de desvio de dinheiro, nem de enriquecimento ilícito, eu não fui acusada de ter contas no exterior. Eu me sinto injustiçada porque aqueles que praticaram atos ilícitos e têm contas no exterior presidem a sessão que trata de uma questão tão grave quanto o impedimento da presidente da República."
Dilma afirmou que não se beneficiou pessoalmente de nenhum ato que motivou a aceitação da denúncia por crime de responsabilidade. "Saio com a consciência tranquila de que não os fiz ilegalmente. Os atos se baseiam em pareceres técnicos".
A presidente afirmou que assistiu a todas as intervenções dos deputados na Câmara durante a discussão e que não viu nenhum debate sobre as pedaladas fiscais e os decretos de crédito suplementar. Ela disse que os presidentes antecessores não foram punidos por atos semelhantes. "A mim se reserva um tratamento que não se reservou a ninguém."
Reforma - A presidente disse que não pretende fazer mudanças em ministérios, mas lembrou que os ministros que votaram a favor do impeachment, como Mauro Lopes (PMDB-MG), não fazem mais parte do governo porque "não tem mais justificativa política e ética". Neste domingo, tanto Lopes quando o ministro da Saúde, Marcelo Castro (PMDB-PI, também deputado federal, disseram que já abriram mão dos cargos no governo. O ministro das Cidades, Gilberto Kassab (PSD), também não voltará, porque seu partido decidiu encaminhar voto favorável ao impeachment.
Dilma disse que as tratativas com os senadores, para tentar impedir seu afastamento provisório, serão diferentes das feitas com deputados. O Planalto ficou ressentido com as traições no plenário de deputados que haviam negociado cargos. A presidente afirmou que espera que o ex-presidente Lula, responsável por grande parte dos acordos, assuma a Casa Civil nesta semana.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Governador Robinson Faria participa da Ação Vila Cidadã em Lajes

O governador Robinson Faria esteve presente na Região Central neste sábado, 09. Robinson participou da ação Vila Cidadã em Pedro Avelino, e no domingo (10), esteve na ação realizada aqui em Lajes, na Casa de cultura Alzira Soriano, estendendo-se por toda rua João Militão.
Aqui em nossa cidade, o governador, ao lado da primeira e secretária de Assistência Social, Juliane Faria, além de trazerem a ação Vila Cidadã, fizeram a entrega de 250 cheques do microcrédito empreendedor a pessoas dos municípios de Lajes e Santana do Matos.
Em seu discurso, Robinson Faria relembrou sua passagem por Lajes quando aqui foi acolhido pela amiga da primeira hora, Dra. Lourdinha Arruda, seu esposo Marcelo Câmara e vários outros amigos. O Governador agradeceu cada voto recebido em nosso município e disse está cumprindo o dever de gestor que vem se preocupando com a melhoria de vida do povo potiguar.
Já a secretária Juliane Faria, agradeceu o carinho recebido do povo lajense e disse que iria lutar para atender a grande solicitação da Dra Lourdinha Arruda, que era trazer para Lajes uma Central do Cidadão, o que foi confirmado pelo governador no final do seu discurso, dizendo que não foi uma promessa de campanha, mas a vinda da Central do Cidadão para Lajes passa a ser um compromisso do governador do Rio Grande do Norte, Robinson Faria.
Robinson foi muito bem recepcionado pelo povo lajense, tendo a frente essa incansável lutadora pelo nosso povo Dra. Lourdinha Arruda, seu esposo Marcelo Câmara, os amigos Eduardo Cabral, Dr. José Duda, João do Cabrito e vários outros.
Quem também esteve ao lado da Dra. Lourdinha, junto ao governador, foi o vereador mais votado de Lajes, André Felix (PRB), dando um exemplo de força e união em pró do nosso município. Ainda queremos registrar as presenças da ex prefeita de Pedro Avelino ,Neide Suely, ex prefeito de Afonso Bezerra, Bastistão, ao lado do prefeito Jackson Bezerra, ex prefeito de Jandaíra, Silvano Pinheiro, e o prefeito Beto Roque, secretário estadual de Agricultura, Haroldo Abuana, e várias outras lideranças políticas de Lajes e região.
  matériae e fotos do blog foco sertanejo

sexta-feira, 8 de abril de 2016

Na Câmara, 60% dizem votar pelo impeachment de Dilma Rousseff

Por Folha de SP
A maior parte dos deputados federais está decidida a votar pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff no plenário da Câmara –a votação está prevista para o domingo, dia 17 de abril.
Em levantamento feito pelo Datafolha de 21 de março a 7 de abril entre os parlamentares, 60% deles dizem que darão votos favoráveis ao impedimento da petista.
O número, porém, não é suficiente para que se aprove o processo: caso a percentagem seja projetada para o total de 513 votantes (contando o presidente da Casa, Eduardo Cunha, do PMDB-RJ, que anunciou que deve se manifestar), o impeachment de Dilma teria hoje 308 votos –34 a menos que os 342 necessários (67% da Câmara) para que a ação seja levada ao Senado.
No lado oposto, 21% dos deputados declararam votos contrários ao processo –seriam 108 parlamentares a favor do mandato da presidente. Para permanecer no cargo, a presidente precisa que 172 parlamentares não votem pelo impedimento.
O cenário atual de encaminhamento do caso ao Senado depende dos 18% dos deputados que estão indecisos ou não declararam a posição (o 1% que falta para os 100% deve-se à aproximação).
No recorte das quatro maiores bancadas da Câmara (PMDB, PT, PSDB e PP), a situação da presidente só pode ser considerada tranquila em seu próprio partido.
No PP, que o governo corteja para ampliar a participação na máquina federal –e que, em reunião nesta semana, decidiu permanecer formalmente aliado a Dilma–, votos pró-impeachment chegam a 57%; indecisos são 30%.
Os índices são semelhantes aos do PMDB, que era o maior aliado da presidente e desembarcou de sua base de apoio no mês passado: 59% dos deputados do partido devem votar pelo afastamento; 38% não se posicionaram.
Este é o terceiro levantamento do tipo feito pelo Datafolha entre os parlamentares. Em relação às pesquisas anteriores houve uma evolução no número de deputados federais a favor do impeachment (de 42% em dezembro para 60% em março e abril).
Também se registrou recuo entre os contrários ao processo (eram 31% em dezembro, ante 21% hoje) e entre os indecisos (de 27% para 18%).
A evolução acompanha os desdobramentos do processo de impeachment, aberto no início de dezembro.
Desde a criação de um colegiado para analisar o pedido na Câmara, em 17 de março, o governo perdeu o apoio de seu maior aliado, o PMDB, e iniciou uma estratégia de oferecer cargos em ministérios nas mãos de peemedebistas para partidos como PP, PR, PSD e PTN para tentar obter votos a seu favor na Casa.
Nesta semana, a comissão apresentou parecer favorável ao processo, relatado por Jovair Arantes (PTB-GO).
Na segunda-feira (11), o texto deve ser votado no órgão e, em seguida, apreciado pelo plenário. Se aprovado, o processo será encaminhado para o Senado, onde maioria simples define o acolhimento ou não da denúncia; em caso positivo, Dilma é afastada por 180 dias da Presidência até a definição do caso.
O Datafolha perguntou aos senadores como eles votariam caso o processo chegue mesmo à Casa, depois de aprovado na Câmara.
O cenário também é majoritariamente desfavorável a Dilma: 55% dos senadores afirmam que votariam pelo afastamento definitivo da petista; 24%, contra.
Alternativa ao impeachment, a renúncia de Dilma também é defendida pela maioria dos deputados (55%) e dos senadores (48%).
EDUARDO CUNHA
A pesquisa do Datafolha mostra também que a situação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), tende a ser tão desconfortável quanto a da presidente.
Entre os deputados, 61% disseram que defendem sua renúncia (23%, que ele deveria permanecer no cargo).
O mesmo percentual declarou que votaria, no plenário, pela cassação de seu mandato, caso o processo chegue a esse estágio –ele ainda corre no Conselho de Ética. Cunha é acusado por delatores da Lava Jato de receber propinas do petrolão e de ter mentido, em depoimento à CPI da Petrobras, sobre contas na Suíça.

quinta-feira, 7 de abril de 2016

‘Quem avalia são os políticos, não os juízes’, diz ex-ministro do STF, que presidiu impeachment de Collor

sydney-sanchesEx-ministro do STF. Sydney Sanches afirma que impeachment é instrumento legal – Helcio Nagamine/Divulgação/Fiesp
Com 82 anos, à frente do Conselho Jurídico da Fiesp, o ministro do STF que presidiu o impeachment de Collor no Senado acredita que o Supremo não deve interferir no mérito do processo
Existe algum paralelo entre o processo de impeachment de Fernando Collor e o de Dilma Rousseff?
São completamente diferentes. Hoje, a pressão da opinião pública não é tão unânime. Na época de Collor, já havia, desde o princípio, uma boa vontade da Câmara e do Senado, ambos favoráveis ao impeachment. Agora, vivemos um momento imprevisível: a cada dia há uma novidade. Está difícil prever qualquer coisa. Conseguir dois terços dos votos não será uma tarefa fácil.
Qual foi o papel do STF na época do impeachment de Collor?
O Supremo elaborou, através de sessão administrativa em plenário, o roteiro que foi seguido posteriormente no Legislativo. Ao longo do processo, se limitou a analisar questões processuais, ligadas a prazos de defesa, à questão de o voto dos parlamentares ser ou não aberto… Não houve manifestação em relação ao mérito do processo.
Atualmente, a defesa da presidente Dilma já fala em judicialização do processo, em apelar ao Supremo…
A legislação é clara ao estabelecer que o impeachment é um processo político. E há uma razão de ser para isso: o presidente foi eleito pelo povo. Logo, quem é que pode autorizar o seu impedimento? São representantes que foram eleitos pelo povo. A Câmara autoriza e o Senado julga. Se o Supremo interferir no mérito, considero que haverá uma certa invasão nas atribuições do Legislativo.
A defesa também fala numa ‘vingança’ do presidente da Câmara, Eduardo Cunha…
É algo que pode até pesar, mas, por enquanto, é uma ilação, que precisaria ser provada com algo concreto.
Na sua opinião, no caso de Dilma, houve crime de responsabilidade?
Analisei a denúncia contra a presidente e achei muito bem fundamentada, ao menos no que diz respeito ao que considero que seria falta de decoro no exercício do mandato: o uso de uma manobra maliciosa para ocultar um problema financeiro, feita em período eleitoral e, ao que tudo indica, também no seu primeiro ano de mandato. É algo grave, ainda mais quando estamos falando de um presidente da República.
Isso quer dizer então que a presidente está com os dias contados?
Veja bem, como já disse, o impeachment é um processo político. Quem avalia são os políticos, não os juízes. E a motivação de cada um deles pode ser diferente. Mesmo na época de Collor, a imensa maioria das manifestações de voto era de conteúdo político, nada com fundamento jurídico. No fim das contas, independentemente de toda a discussão jurídica, deputados e senadores só dirão um sim ou um não.
O impeachment pode ser considerado um golpe?
Temo uma banalização do impeachment. Que, assim que termine uma eleição, já entrem com pedido. E isso não é bom para o país. A economia para e afeta o bem-estar do povo. Mas, se houver seriedade no processo, se for seguida a Constituição e a Lei do Impeachment, não há golpe. É um instrumento legal.
O Globo

terça-feira, 5 de abril de 2016

Teori nega pedidos para suspender posse de Lula na Casa Civil

O Globo
O ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal (STF), negou nesta segunda-feira pedidos do PSDB e do PSB para anular a nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Casa Civil. A decisão foi tomada por um motivo formal: Teori considera que o instrumento utilizado pelos partidos, Ações de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF), não era adequado para esse propósito. A posse de Lula, no entanto, continua suspensa, por conta de liminar deferida pelo ministro Gilmar Mendes, também do STF.
A decisão de Teori ainda pode ser questionada por recurso. Mas, se isso não acontecer, Gilmar será o único relator de ações no STF sobre a posse de Lula – no caso, são Mandados de Segurança. Ainda não há previsão de quando o plenário do tribunal vai julgar a liminar de Gilmar. Quando isso acontecer, o colegiado pode manter a decisão ou revertê-la.
Embora não tenha examinado a fundo o pedido feito pelos partidos, Teori fez questão de afirmar que o episódio da nomeação de Lula para ser ministro é algo intrigante. “O que esta ADPF noticia é um incomum e inédito ato isolado da Presidência, pelo qual se designou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para ocupar cargo de Ministro de Estado. Não se tem notícia de outro caso análogo, nem da probabilidade, a não ser teórica, de sua reiteração”, escreveu.

Atenção Dia 10 de abril Programa vila Cidadã em Lajes do Governo do RN

Fonte: Cabugi Central 

O Programa vila Cidã do Governo do RN conseguido através da odontóloga Dra Lourdinha Arruda e Marcelo Câmara vai esta instalado na Cidade de Lajes dia 10 de abril de 2016,nas dependências da casa de Cultura da Cidade.

O Programa vai atender a população de Lajes na aria de documentos como carteiras de identidade,carteira de trabalho,CPF entre outras inúmeras ações que o programa vai esta oferecendo gratuitamente para a população de Lajes do Cabugi.

A Cidade de Lajes foi a primeira Cidade da Região Central e do RN a receber o programa vila Cidadã do Governo do RN,a contemplação do programa ocorreu graças ao trabalho da Odontóloga Dra Lourdinha Arruda e Marcelo Câmara.

O atendimento ao público terá incio as 08 horas da manhã na Rua João Militão Martins de frente a casa de cultura da Cidade,visando atender a população de Lajes de forma especial fazendo de cada pessoa um exercício de cidadania. *fonte: blog Cabugicentral

Emparn registra chuva em 91 postos pluviométricos do estado

Fonte: De Fato 

Entre as manhãs da última sexta-feira (01) e a desta segunda (04), a Empresa de Pesquisa Agropecuária do Rio Grande do Norte registrou chuva em 91 postos pluviométricos do estado.
Segundo o Boletim Pluviométrico da Emparn, os maiores índices nesse período foram notificados na região Seridó potiguar. Na cidade de Parelhas, caíram 82,3 milímetros e em Caicó, 81 mm.
Confira abaixo a íntegra do Boletim da Emparn:
Per.: das 7:00hs de 01/04/2016 as 7:00hs de 04/04/2016

 No. Postos Existentes: 197                No. Postos sem Contato:  89
  No. de Postos com Chuva:  91               No. de Postos sem Chuva:  17

MESORREGIAO OESTE POTIGUAR  
Caraubas(Particular)                                     47,0
Campo Grande(Particular  2)                              46,9
Campo Grande(Particular)                                 42,1
Dr. Severiano(Emater)                                    37,3
Olho D'agua Dos Borges(Particular)                       33,5
Barauna(Emater)                                          33,4
Encanto(Prefeitura)                                      30,0
Janduis(Emater)                                          25,4
Grossos                                                  24,5
Jucurutu(Emater)                                         23,8
Porto Do Mangue(Prefeitura)                              23,0
Sao Rafael(Emater)                                       21,8
Rafael Godeiro(Emater)                                   19,3
Alto Do Rodrigues(Diba/baixo Assu)                       19,0
Felipe Guerra(Prefeitura)                                18,0
Ipanguacu(Base Fisica Da Emparn)                         17,7
Carnaubais(Emater)                                       17,4
Francisco Dantas(Emater)                                 15,5
Itaja(Emater)                                            15,4
Serra Do Mel(Prefeitura)                                 15,0
Lucrecia(Emater)                                         14,0
Areia Branca(Emater)                                     13,0
Sao Miguel(Emater)                                       13,0
Gov. Dix-sept Rosado(Particular)                         12,9
Tibau(Prefeitura)                                        12,4
Joao Dias(Emater)                                        12,0
Assu(Particular)                                         11,5
Portalegre(Particular)                                   10,7
Apodi(Prefeitura)                                        10,0
Pau Dos Ferros(Particular)                               10,0
Assu(Emater/st. Casa Forte)                               9,0
Frutuoso Gomes(Emater)                                    7,5
Rodolfo Fernandes(Prefeitura)                             7,0
Severiano Melo(Prefeitura)                                6,5
Rafael Fernandes(Emater)                                  5,7
Itau(Particular)                                          5,0
Riacho Da Cruz(Emater)                                    5,0
Tenente Ananias(Emater-st Mororo)                         5,0
Umarizal(Fazenda Camponesa(partic))                       5,0
Martins(Particular)                                       4,0
Sao Francisco Do Oeste(Prefeitura)                        4,0
Parau(Prefeitura)                                         3,9
Piloes(Prefeitura)                                        3,6

MESORREGIAO CENTRAL POTIGUAR
Parelhas(Emater)                                         82,3
Caico(Emater)                                            81,0
Caico(Acude Mundo Novo-emparn)                           80,0
Caico(Acude Itans)                                       68,6
Carnauba Dos Dantas(Emater)                              52,6
Sao Jose Do Serido(Associacao Usuarios Agua)             50,0
Angicos(Prefeitura)                                      46,4
Sao Fernando(Emater)                                     46,0
Ouro Branco(Sindicato Trab.rurais)                       41,3
Guamare(Lagoa Doce)                                      38,7
Cerro Cora(Emater)                                       38,0
Florania(Inemet)                                         37,7
Sao Jose Do Serido(Fz Caatinga Grande)                   36,0
Jardim Do Serido(Emater/passagem)                        33,3
Sao Joao Do Sabugi(Emater)                               30,0
Florania(Sitio Jucuri)                                   24,8
Pedro Avelino(Base Fisica Da Emparn)                     18,1
Sao Vicente(Emater(ex-particular))                       14,4
Acari(Particular)                                        12,6
Caico(Batalhao)                                           8,5
Equador(Particular)                                       8,3
Cruzeta(Base Fisica Da Emparn)                            5,5

MESORREGIAO AGRESTE POTIGUAR
Campo Redondo(Policia Rodoviaria)                        20,4
Lajes Pintadas(Prefeitura)                               18,2
Vera Cruz(Emater)                                        15,0
Sao Bento Do Trairi(Prefeitura)                          12,8
Joao Camara(Centro Saude)                                 9,1
Bento Fernandes(Sec Agricultura)                          8,5
Ielmo Marinho(Prefeitura)                                 6,7
Sao Paulo Do Potengi(Emater)                              5,0
Serrinha(Emater)                                          4,5
Lagoa De Pedras(Prefeitura)                               3,4
Monte Alegre(Emater)                                      3,0
Bom Jesus(Particular)                                     2,4
Passa E Fica(Prefeitura)                                  0,9

MESORREGIAO LESTE POTIGUAR
Taipu(Particular)                                        26,0
Pedra Grande(Emater)                                     18,0
Sao Goncalo Do Amarante(Base Fisica Da Emparn)           17,5
Baia Formosa(Destilaria Vale Verde)                      12,2
Parnamirim(Base Fisica Da Emparn)                        11,2
Nisia Floresta(Particular)                               10,3
Natal                                                    10,2
Senador Georgino Avelino(Particular)                      9,1
Canguaretama(Emater/barra De Cunhau)                      9,0
Montanhas(Prefeitura)                                     6,1
Pureza(Emater)                                            4,5
Espirito Santo(Prefeitura)                                3,9
Canguaretama(Base Fisica Da Emparn)       

quinta-feira, 31 de março de 2016

Kátia Abreu diz que fica no ministério; PMDB não aceita licença

Kátia Abreu, ministra da Agricultura (Foto: Valter Campanato / Agência Brasil)
O Globo
A ministra da Agricultura, Kátia Abreu, defendeu, em sua conta no Twitter, que vai permanecer no posto, mesmo depois de seu partido, o PMDB, ter aprovado o desembarque do governo. Na noite de terça-feira, ela participou, junto com os ministros Helder Barbalho (Portos) e Eduardo Braga (Minas e Energia), de uma reunião na residência oficial do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), a fim de costurar a alternativa de se licenciar do partido para se manter no cargo, como informou a coluna Panorama Político. Renan, no entanto, não confirmou nem a interlocutores ser o patrocinador da proposta da licença.
Em três mensagens publicadas no microblog na tarde desta quarta-feira, Kátia Abreu afirmou que continuará no ministério e no partido:
“Continuaremos no Governo e no PMDB.Ao lado do Brasil no enfrentarmos da crise.”
“Deixamos a Presidente a vontade caso ela necessite de espaço para recompor sua base.”
“O importante é que na tempestade estaremos juntos.”

RN participa da maior feira de turismo da América Latina

Turismo
O governador Robinson Faria participou nesta quarta-feira(30), em São Paulo, da WTM Latin America, a principal feira de turismo do continente sul-americano, que reúne mais de 650 expositores de diversos países até amanhã, no Expo Center Norte. O Rio Grande do Norte conta com um estande de destaque e uma equipe de trabalho voltada para a ampliação do mercado do turismo internacional, para a maior atração de estrangeiros para as terras potiguares.
Robinson Faria conduziu reuniões com representantes de operadoras de turismo, como o superintendente da CVC (principal operadora do país), Valter Patriani, para discutir caminhos para incrementar ainda mais o turismo do RN. O governador esteve também com o presidente da Inframérica, Luiz Menghini. A empresa é administradora do aeroporto internacional de São Gonçalo do Amarante. Na pauta, a atração de novos voos para o RN.
Foram reuniões muito ricas, em que tratamos de medidas que devem começar a trazer resultado em breve. No ano passado já registramos um crescimento no turismo do RN superior a 20%, mas meu principal objetivo é fortalecer cada vez mais a atividade, gerando emprego e renda para o povo potiguar. Especialmente em um ano difícil para a economia, o turismo precisa e deve receber uma atenção especial”, declarou o governador Robinson Faria.
O secretário de Turismo Ruy Gaspar destacou a importância do Rio Grande do Norte se fazer presente neste que é o principal evento de turismo da América Latina. “O RN vinha, há alguns anos, ausente desses grandes eventos. Agora está aqui com um estande muito bonito, movimentado, atuando em uma série de reuniões com a presença do governo e de representantes do trade turístico, da ABIH, do Natal Convention, mostrando a força da atividade no nosso Estado”, disse.
Já a presidente da Emprotur, Ana Maria Costa, afirmou que ao longo dos três dias da WTM, que se encerra nesta quinta, o RN está participando de diversas rodadas de negociação, abrindo novas possibilidades para o turismo em território potiguar. “Estamos realizando reuniões com operadores de turismo de vários países da América Latina, e até de outros continentes, que estão aqui representados”, conta a presidente da Emprotur, Ana Maria Costa.
Aninha explica que a Embratur é responsável por levar para a feira executivos que representam o Brasil em outros países para o intercâmbio com estados brasileiros. “Com isso, discutimos a demanda turística desses países, os potenciais do Rio Grande do Norte para atender a essas expectativas e como podemos juntar as duas coisas. Os contatos têm sido promissores”, afirma.

Blog do BG

quarta-feira, 30 de março de 2016

Moro pede desculpas ao STF por "polêmica" de grampo e nega que divulgação teve finalidade política

Juiz afirma que diversas conversas de Lula têm 'conteúdo jurídico-criminal relevante', mas admite que pode ter errado ao dar publicidade a diálogo com Dilma


O juiz federal Sérgio Moro, da 3ª Vara Criminal de Curitiba, durante sessão em São Paulo (SP), nesta terça-feira (29)
O juiz federal Sérgio Moro, da 3ª Vara Criminal de Curitiba, durante sessão em São Paulo (SP), nesta terça-feira (29)(Nelson Almeida/AFP)
O juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em Curitiba, afirmou nesta terça-feira ao Supremo Tribunal Federal (STF) que não pretendeu gerar "fato político-partidário" ao suspender o sigilo dos grampos em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi flagrado em aparente tentativa de obstrução da Justiça. Lula é alvo de processo relacionado ao petrolão por suspeitas de ter recebido benesses de empreiteiras investigadas na Lava Jato e ocultado patrimônio. Na manifestação de Moro, encaminhada ao ministro Teori Zavascki, o magistrado admitiu que pode ter errado ao dar publicidade aos grampos, pediu desculpas e disse que "jamais foi a intenção desse julgador (...) provocar polêmicas, conflitos ou provocar constrangimentos".
"Compreendo que o entendimento então adotado possa ser considerado incorreto, ou mesmo sendo correto, possa ter trazido polêmicas e constrangimentos desnecessários. Jamais foi a intenção desse julgador provocar tais efeitos e, por eles, solicito desde logo respeitosas escusas a este Egrégio Supremo Tribunal Federal", afirmou. Ainda assim, ele defendeu a decisão de dar publicidade às conversas de Lula e disse que, por haver indícios de que o petista atuava para obstruir as investigações, não se pode falar em "direito à intimidade".
"O levantamento do sigilo não teve por objetivo gerar fato político-partidário, polêmicas ou conflitos, algo estranho à função jurisdicional, mas, atendendo ao requerimento do Ministério Público Federal, dar publicidade ao processo e especialmente a condutas relevantes do ponto de vista jurídico e criminal do investigado, o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que podem eventualmente caracterizar obstrução à Justiça ou tentativas de obstrução à Justiça", disse.
Na avaliação de Sergio Moro, diversas conversas de Lula monitoradas com autorização judicial, entre as quais com políticos do PT e com a própria presidente Dilma Rousseff, têm "conteúdo jurídico-criminal relevante" porque revelam "condutas ou tentativas de obstrução ou de intimidação da Justiça ou mesmo solicitações para influenciar indevidamente magistrados, sendo também colhidos diálogos relevantes para o objeto da investigação em curso".
Na conversa em que Dilma diz a Lula para usar o termo de posse de ministro da Casa Civil "em caso de necessidade", Moro disse que o tema é relevante para a tese de que o ex-presidente poderia obstruir a Justiça ao adquirir foro privilegiado. "Se o referido diálogo não tinha conteúdo jurídico-criminal relevante para a Exma. Sra. Presidenta da República, então não havia causa para, em 16/03, determinar a competência do Supremo Tribunal Federal, o que só ocorreria com a posse do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva no cargo de Ministro Chefe da Casa Civil, então marcada para 22/03/2016, depois antecipada para 17/03/2016", argumentou o juiz da Lava Jato.
Segundo Moro, não há indicativos, em princípio, de que a própria presidente Dilma tenha atuado para influenciar, intimidar ou obstruir a Justiça. Por isso, o simples fato de aparecer nas conversas grampeadas não faz com que o caso tenha de ser remetido de pronto ao STF. "Pela relevância desse diálogo para o investigado, não há falar em direito da privacidade a ser resguardado, já que ele é relevante jurídico-criminalmente para o ex-Presidente", afirmou.
Em outro grampo, em que Lula conversa com o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (PMDB), o entendimento de Moro é o de que o diálogo é importante porque o peemedebista fala abertamente do sítio de Atibaia como sendo do ex-presidente. O imóvel foi reformado pelas empreiteiras OAS e Odebrecht e pelo pecuarista José Carlos Bumlai, segundo o Ministério Público, para o ex-presidente, que teria usado interpostas pessoas a fim de ocultar ser o real dono da propriedade.
Ao defender os grampos e a decisão de torná-los públicos, o juiz também destaca que autoridades com foro privilegiado, como a própria presidente Dilma Rousseff, não são alvo de investigação na Lava Jato, mas aparecem nos monitoramentos porque conversaram com Lula, o real investigado. No documento enviado a Teori Zavascki, Moro detalha a atuação do petista para obstruir a Justiça em diversas conversas monitoradas e cita uma em especial: a que Lula diz que os responsáveis pelos processos relacionados ao petrolão "têm que ter medo". "Não se trata de uma afirmação que não gere naturais receios aos responsáveis pelos processos atinentes ao esquema criminoso da Petrobras", disse.
"Entendeu este Juízo que, nesse contexto, o pedido do MPF de levantamento do sigilo do processo se justificava exatamente para prevenir novas condutas do ex-Presidente para obstruir a Justiça, influenciar indevidamente magistrados ou intimidar os responsáveis pelos processos atinentes ao esquema criminoso da Petrobras. O propósito não foi, portanto, político-partidário, mas sim, além do cumprimento das normas constitucionais da publicidade dos processos e da atividade da Administração Públicas, prevenir obstruções ao funcionamento da Justiça e à integridade do sistema judicial frente a interferências indevidas", explicou Sergio Moro.

terça-feira, 29 de março de 2016

Henrique Alves pede exoneração do Ministério do Turismo

Ele é o primeiro peemedebista a deixar um cargo no primeiro escalão do governo de Dilma Rousseff. Temer e Renan Calheiros têm acordo para que os outros ministros da sigla deixem suas pastas

Presidente da Câmara dos Deputados, Henrique Eduardo Alves
Henrique Eduardo Alves entregou o cargo de ministro do Turismo a Dilma Rousseff(Pedro França/Agência Senado/VEJA)
O ministro do Turismo, Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN), pediu exoneração do cargo na tarde desta segunda-feira. Ex-presidente da Câmara e próximo do vice-presidente Michel Temer, Alves enviou à presidente Dilma Rousseff uma carta em que anuncia sua saída da pasta, ato que inaugura a debandada dos ministros do PMDB do governo da petista.
No documento enviado à presidente, Henrique Alves afirma que "o momento nacional coloca agora o PMDB, o meu partido há 46 anos, diante do desafio maior de escolher o seu caminho, sob a presidência do meu companheiro de tantas lutas, Michel Temer". O agora ex-ministro diz que sempre prezou pelo diálogo com o governo, "que - lamento admitir - se exauriu".
O líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE), afirmou hoje que Temer e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), fecharam um acordo para que os ministros do partido entreguem os cargos na convenção marcada para a tarde de amanhã.
Eunício, que também é tesoureiro da legenda, participou do encontro dos dois realizado há pouco na residência oficial de Renan. O líder peemedebista ressaltou que, com a decisão, os cargos ficarão à disposição da presidente Dilma Rousseff e não poderão ser mais considerados cota do partido no governo.
Até a saída de Henrique Alves, o PMDB ocupava sete pastas na Esplanada dos Ministérios. Segundo o senador cearense, a tendência é que não haja nenhum prazo extra para que os ministros devolvam os postos. "Se ficar (no cargo), estará na cota pessoal da presidente", explicou Eunício. Os ministros de Minas e Energia, Eduardo Braga, e da Saúde, Marcelo Castro, seriam os dois peemedebistas que mais resistem a devolver os cargos.
A tendência é que a decisão de desembarque do partido do governo Dilma ocorra por aclamação.
LEIA MAIS:
PMDB está perto de unanimidade pelo desembarque, diz ex-ministro
Temer se reúne com peemedebistas para fechar questão sobre saída do governo
(com Estadão Conteúdo)

segunda-feira, 28 de março de 2016

Temer avisa Lula que PMDB aprovará saída do governo amanhã

O vice-presidente da República, Michel Temer, avisou neste domingo (28) ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva que o PMDB, legenda comandada por ele, aprovará o desembarque oficial do governo na reunião de seu diretório nacional nesta terça-feira (29).
Esta foi a primeira vez que Lula conseguiu se reunir com Temer desde que o partido decidiu pela saída oficial do governo. Na semana passada, o ex-presidente, que tem atuado como articulador informal do governo, tentou se encontrar com o vice-presidente em duas ocasiões, mas Temer não o recebeu.
Na conversa, o peemedebista também avisou a Lula que não havia possibilidade de a reunião ser adiada. Inicialmente, integrantes da legenda ainda aliados do governo tentavam pressionar o peemedebista pelo adiamento para que o processo de impeachment, em tramitação no Congresso, avançasse mais e a sigla não ficasse tanto sob os holofotes.
No encontro, Temer reclamou a Lula do isolamento que tem sofrido pelo Palácio do Planalto. Em conversas reservadas, ele tem dito que Dilma não o recebe nos últimos dois meses.
Ele se queixou ainda das intervenções da presidente em decisões do comando nacional do partido, como a nomeação do deputado federal Mauro Lopes (PMDB-MG) para a Secretaria de Aviação Civil.
Ela ocorreu após decisão do partido para que nenhum filiado aceitasse cargos até a decisão oficial da sigla de desembarque da Esplanada dos Ministérios.
FolhaPress

OAB oficializa novo pedido de impeachment de Dilma

Por: Felipe Frazão, de Brasília - Atualizado em
Confusão no Salão Verde da Câmara dos Deputados, em Brasília, entre manifestantes favoráveis à presidente Dilma Rousseff e integrantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) - 28/03/2016
Confusão no Salão Verde da Câmara dos Deputados, em Brasília, entre manifestantes favoráveis à presidente Dilma Rousseff e integrantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) - 28/03/2016(Dida Sampaio/Estadão Conteúdo)
Sob protestos de militantes do PT arregimentados por deputados do partido, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) protocolou na tarde desta segunda-feira na Câmara dos Deputados um novo pedido de impeachment da presidente da República, Dilma Rousseff. A documentação será encaminhada para apreciação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).
Quando chegou à Câmara portando os seis volumes que em mais de 1.600 páginas compõem o pedido de impeachment, o presidente da OAB, Claudio Lamachia, foi recebido com protestos de petistas e militantes da União da Juventude Socialista (UJS), um dos movimentos sociais que apoiam o governo Dilma. Alvo de tentativas de agressão, o presidente da OAB foi isolado dentro do elevador privativo dos deputados. Por causa do tumulto, Lamachia não conseguiu chegar até a seção de protocolo da Câmara e entregou o pedido ao secretário-geral da Mesa Diretora, Silvio Avelino da Silva.
Desde a manhã desta segunda-feira os deputados Paulo Pimenta (PT-RS) e Elino Bhon Gass (PT-RS) andavam pelos corredores da Câmara acompanhados de servidores comissionados e militantes. Integrado, entre outros, pelo agitador petista Rodrigo Grassi, o Pilha, ex-assessor da deputada Erika Kokay (PT-DF) com longa ficha na Polícia Legislativa, o grupo gritava "não vai ter golpe" e "a OAB apoiou a ditadura".
Mais cedo, Lamachia recebeu na sede da OAB em Brasília um grupo de advogados que discorda do apoio ao impeachment e cobrava uma consulta nacional a todos os integrantes da ordem. Eles protestaram com cartazes em frente ao prédio da OAB. "Isso deve ser encarado como uma divergência, não como um racha na OAB", ponderou Lamachia.
LEIA TAMBÉM:
Temer se reúne com peemedebistas para fechar questão sobre saída do governo
Moro envia ao STF planilha da Odebrecht que cita centenas de políticos
Nova denúncia - A nova denúncia por crime de responsabilidade tem por base, além das pedaladas fiscais que já constam no pedido de impeachment em tramitação no Legislativo, ajuizado pelos juristas Miguel Reale Jr, Hélio Bicudo e Janaina Paschoal, a tentativa de nomear o ex-presidente Lula como ministro da Casa Civil para blindá-lo, com foro privilegiado, de um pedido de prisão preventiva, acusações da delação premiada do senador e ex-líder do governo Dilma Delcídio do Amaral (ex-PT-MS) e a renúncia fiscal em favor da FIFA na Copa do Mundo de 2014.
No último dia 18, o conselho federal da OAB aprovou em plenário o apoio ao impeachment da presidente por 26 votos a dois - os únicos contrários foram do membro honorário Marcelo Lavenère, representante de ex-presidentes, e da seccional do Pará.
O presidente da OAB afirmou que a decisão foi democrática. "A OAB envolveu mais de 5.000 dirigentes da ordem e os 27 Estados. A decisão é absolutamente técnica", disse o presidente da OAB Claudio Lamachia. "A questão política e partidária, as ideologias não nos pertencem."
Na semana passada, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), havia dito que não despacharia de imediato o pedido da OAB.

No último esforço, Dilma convoca ministros do PMDB

Dilma: não desiste nunca
Dilma: não desiste nunca
A presidente Dilma Rousseff deve fazer nesta segunda-feira uma derradeira tentativa de conter o desembarque do PMDB, previsto para o dia seguinte.
Ela pediu que ministros do partido cancelassem a agenda e viagens para recebê-los pela manhã. Os próprios governistas, no entanto, dizem que a margem de manobra que têm se estreitou muito depois que até diretórios antes firmes no apoio a Dilma, como o do Rio, aderiram à debandada.



E ATENÇÃO LAJES PARA A PROGRAMAÇÃO SEMANAL DA CLÍNICA REANSCER

SEGUNDA DIA 28, GERIATRA E UROLOGISTA
TERÇA DIA 29, ECOCARDIOGRAMA E FISIOTERAPIA.
QUARTA DIA 30, FISIOTERAPIA, ULTRASSONOGRAFIAS EM GERAL, CARDIOLOGISTA, TESTE ERGOMÉTRICO, NUTRICIONISTA E DENTISTA.
QUINTA DIA 31, ENDOSCOPIA, GASTRO, DERMATOLOGISTA E FISIOTERAPIA.
SEXTA DIA 01, PSIQUIATRA E FISIOTERAPIA.
ELETROENCEFALOGRAMA, MAPEAMENTO CEREBRAL, EXAMES LABORATORIAS, DE SANGUE, URINA, HORMÔNIOS, INCLUSIVE TESTE DE DNA SÃO REALIZADOS TODOS OS DIAS DE SEGUNDA A SÁBADO.
INFORMAMOS QUE O RESULTADO DOS EXAMES LABORATORIAIS VOCÊ RECEBE NO MESMO DIA.
MARQUE SUA CONSULTA PELOS TELEFONES – 99603-6751 OU 3532-2155 OU NA PRÓPRIA CLÍNICA DAS 6 AS 18:00 HORAS


CLÍNICA RENASCER – CUIDANDO DA SUA SAÚDE!