sexta-feira, 30 de junho de 2017

O São Pedro em Lajes


Na noite desta quinta feira (29), as escolas municipais de Lajes realizaram a grande festa de São Pedro em nossa cidade, com o apoio da Prefeitura Municipal de Lajes.



O evento aconteceu na praça Manoel Januário Cabral e na quadra de esportes Manoel Procópio de Moura a conhecida quadra central e contou com as presenças do Prefeito Marcão, da !ª Dama Conceição Fernandes, Vice Prefeito Marcio Nunes e de vários Secretários Municipais.




As escolas apresentaram suas quadrilhas  e na animação tivemos o Trio de Forró Pé de Serra Itaretama, nove escolas participaram do evento.



Hoje a noite a festa continua com o grande festival de quadrilhas juninas, onde doze quadrilhas se apresentarão no evento.



Quem também compareceu no evento foi a Vereadora Rosa Costa ao lado do esposo e secretário do Turismo de Lajes Cesar Militão.










COPIADO DO BLOG FOCOSERTANEJO 


sábado, 17 de junho de 2017

MPF emite parecer pela manutenção da prisão de Henrique Alves

Por G1/RN
O Ministério Público Federal emitiu parecer pela manutenção da prisão do ex-ministro Henrique Eduardo Alves e do ex-presidente da Câmara, Eduardo Cunha. O parecer do MPF 5ª Região, com sede no Recife, foi emitido nesta sexta-feira (16) e é referente a pedido de habeas corpus para os dois investigados.
As prisões de Henrique e Eduardo Cunha foram decretadas pela Justiça Federal no Rio Grande do Norte, a pedido do próprio MPF, como parte da Operação Manus. Para o Ministério Público Federal há indícios de que ambos praticaram, de forma continuada, os crimes de corrupção e lavagem de dinheiro.
Henrique Alves foi preso preventivamente no último dia 6, em Natal. Já Eduardo Cunha, que já se encontrava preso no Paraná, por conta de outro processo, tornou-se alvo de um novo mandado de prisão preventiva. A Operação Manus é um desdobramento da Lava Jato.
Henrique e Cunha são acusados de receber propina por meio de doações eleitorais oficiais e não oficiais, nos anos de 2012 e 2014, em troca do favorecimento de empreiteiras como OAS e Odebrecht, nas obras do estádio Arena das Dunas, em Natal.
Ambos pediram a revogação da prisão preventiva, por meio de habeas corpus ao Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5), no Recife, a segunda instância da Justiça Federal para processos que tramitam em seis estados do Nordeste, incluindo o Rio Grande do Norte. A Procuradoria Regional da República da 5ª Região (PRR5), unidade do MPF que atua perante o TRF5, manteve o posicionamento do MPF na primeira instância e emitiu parecer contrário ao pedido dos ex-deputados.
Para o Ministério Público Federal, “a manutenção da prisão preventiva é necessária para garantir a ordem pública e assegurar a efetiva aplicação da lei penal, uma vez que ambos continuam a exercer intensa atividade política em âmbito nacional. Dessa forma, o cerceamento de sua liberdade tem o objetivo de evitar a continuidade das práticas ilícitas”.
O MPF ressalta ainda que, solto, o ex-ministro Henrique Alves poderia manipular eventuais provas de seus crimes, a exemplo de sua conta na Suíça que foi fechada exatamente em 2015, quando as investigações da operação Lava Jato tiveram início no Supremo Tribunal Federal.
“Repentinamente, seu saldo foi enviado para outras contas secretas, uma mantida no Uruguai e outra nos Emirados Árabes Unidos, inviabilizando o sequestro desses valores. Isso demonstra, segundo entendimento do MPF, que a revogação da prisão preventiva permitiria que Henrique Alves continuasse a ocultar quantias ilícitas no exterior, prosseguindo com a conduta criminosa”, destaca o MPF em nota divulgada nesta sexta-feira.
Além disso, o órgão ressalta que “a prisão preventiva tem ainda o objetivo de evitar uma possível fuga de Henrique Alves para outro país. Como ele é titular de contas no exterior e realizou várias viagens internacionais nos últimos anos, teria a seu favor toda a logística necessária para ausentar-se do país e, assim, impedir a aplicação da lei penal”

Comparar provas contra Dilma e contra Temer é risível, diz Cardozo

Plenário do Senado - José Eduardo Cardozo
O ex-ministro da Justiça José Eduardo Cardozo disse que o presidente Michel Temer (PMDB) cometeu crime de responsabilidade que possibilita a discussão do seu afastamento e que chega a ser “risível” comparar as provas levantadas contra o peemedebista na esteira das delações da JBS ao Ministério Público Federal e que as levaram ao impeachment de Dilma Rousseff (PT), em agosto do ano passado.
“Eu não tenho a menor dúvida de que existe uma prova pré-constituída de que o presidente da República efetivamente cometeu crime de responsabilidade (…). E se você comparar com as provas que existiam para o impeachment de Dilma Rousseff chega até a ser risível. Primeiro porque as questões que envolviam Dilma eram técnicas [ela foi cassada por ter cometido “pedaladas fiscais no Orçamento]. Segundo, que não havia prova nem do ato dela. Neste caso, as provas estão dadas. Elementos hoje para a abertura de um processo de impeachment são escancarados”, afirmou em entrevista ao site da União Nacional dos Estudantes (UNE), durante o 55º congresso da entidade, em Belo Horizonte, que vai até domingo.
Cardozo, que defendeu Dilma no processo de impeachment como advogado-geral da União, também criticou aqueles que pregavam o afastamento da petista e agora ficam receosos de defender o mesmo em relação a Temer. “Acho curioso que setores da política brasileira que defendiam com unhas e dentes o impeachment de Dilma por uma questão contábil, sem provas, agora tenham dúvidas em relação a se devem ou não apoiar a saída de Michel, porque pode fazer mal para o país. Mal para o país foi o que fizeram antes. Agora há que se corrigir o rumo”, afirmou.

Lava-Jato: Henrique Alves e Cunha atuaram para interferir em tribunais

Os ex-presidentes da Câmara dos Deputados Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) e Eduardo Cunha (PMDB-RJ) atuaram em favor da OAS e do sócio da empresa, José Adelmário Pinheiro Filho, o Léo Pinheiro, no Superior Tribunal de Justiça (STJ), no Tribunal Superior do Trabalho (TST), no Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF-5) e na própria Procuradoria-Geral da República (PGR). É o que apontam relatórios de interceptação telefônica da Lava-Jato usados pela Operação Manus para fundamentar a necessidade de manter os pemedebistas presos por risco à ordem pública e para garantir a instrução criminal.
Dados telefônicos “evidenciam contatos entre Henrique Eduardo Lyra Alves e Eduardo Cosentino da Cunha, de um lado, e terminais cadastrados em nome do Superior Tribunal de Justiça, utilizados na época pelos ministros Ari Pargendler, Gilson Dipp e Benedito Goncalves, além de terminais da própria Procuradoria-Geral da República”, relata o procurador Rodrigo Telles de Souza no pedido feito à 14ª Vara Federal Criminal de Natal que resultou no encarceramento cautelar de Henrique Alves, ex-ministro e homem de confiança do presidente Michel Temer, e em mais uma prisão preventiva para o ex-homem forte do Legislativo Federal Eduardo Cunha, réu por corrupção e lavagem em duas ações penais e preso em Curitiba desde o ano passado. As ordens judiciais foram cumpridas na terça-feira.

Valor

Joesley Batista: “Temer é o chefe da quadrilha mais perigosa do Brasil”

Na manhã da quinta-feira (15), o empresário Joesley Batista, um dos donos do grupo J&F, recebeu ÉPOCA para conceder sua primeira entrevista exclusiva desde que fechou a mais pesada delação dos três anos de Lava Jato. Em mais de quatro horas de conversa, precedidas de semanas de intensa negociação, Joesley explicou minuciosamente, sempre fazendo referência aos documentos entregues à Procuradoria-Geral da República, como se tornou o maior comprador de políticos do Brasil. Discorreu sobre os motivos que o levaram a gravar o presidente Michel Temer e a se oferecer à PGR para flagrar crimes em andamento contra a Lava Jato. Atacou o presidente, a quem acusa, com casos e detalhes inéditos, de liderar “a maior e mais perigosa organização criminosa do Brasil” – e de usar a máquina do governo para retaliá-lo. Contou como o PT de Lula “institucionalizou” a corrupção no Brasil e de que modo o PSDB de Aécio Neves entrou em leilões para comprar partidos nas eleições de 2014. O empresário garante estar arrependido dos crimes que cometeu e se defendeu das acusações de que lucrou com a própria delação.


Veja a entrevista AQUI

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Morre a ex-governadora Wilma de Faria

Pioneira na política do Rio Grande do Norte, tendo sido a primeira mulher eleita deputada federal, primeira prefeita de Natal e primeira governadora do estado, uma das lideranças mais carismáticas da história potiguar, a “guerreira” Wilma de Faria morreu às 23h40 deste feriado de Corpus Christi, 15 de junho, aos 72 anos de idade.
Wilma vinha convivendo com câncer no sistema digestivo há mais de dois anos, quando passou por tratamentos quimioterápicos e algumas cirurgias em São Paulo e Natal.
Mas sempre tentando conciliar com agenda de trabalho, uma de suas maiores fontes de vida e razão pela qual tem reconhecimento dos norte-rio-grandenses, – pelo legado de muitas ações e investimentos em todas as regiões do estado.
Eleita vereadora de Natal na última eleição, Wilma estava licenciada da Câmara desde o dia 18 de abril. Ainda cogitava retornar às atividades, mas teve que ser internada mais uma vez. Estava desde o dia 3 de junho na Casa de Saúde São Lucas, onde permaneceu até agora quando veio a óbito por falência múltipla de órgãos.
O velório acontecerá no Palácio da Cultura e o sepultamento no Morada da Paz, em Emaus, com horários a serem definidos.
A GUERREIRA
Mestra em Educação e especialista em Sociologia, Wilma Maria de Faria nasceu em Mossoró, na região Oeste, e cresceu em Caicó, no Seridó. Tem quatro filhos e 13 netos; era professora aposentada pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), onde se licenciou em Letras.
Sua trajetória política foi marcada pelo pioneirismo e ousadia. Quebrando a forte herança machista no estado, Wilma foi eleita a primeira deputada federal pelo RN em 1986, atuando em defesa dos direitos dos trabalhadores – o que lhe rendeu nota 10 do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap).
Em 1988 se elegeu a primeira prefeita de Natal, cidade que administrou por três mandatos (1988, 1996 e 2000). Já no ano de 2002 marcou mais um capítulo da história política do estado, ao ser eleita a primeira mulher a governar o Rio Grande do Norte, liderando uma frente de pequenos partidos. Foi reeleita em 2006.
Wilma de Faria também foi vice-prefeita da cidade do Natal entre 2012 e 2016, e presidente estadual do Partido Socialista Brasileiro (PSB/RN) por 20 anos. Atualmente era vereadora de Natal pelo Partido Trabalhista do Brasil (PTdoB) para a legislatura 2017-2020.

Velório de Wilma de Faria começa a partir das 08:00h na Pinacoteca do Estado com enterro às 19h em Emaús


Resultado de imagem para wilma de faria
O velório da ex-governadora Wilma de Faria acontecerá na Pinacoteca do Estado, Palácio Potengi, a partir das 8h.
Às 17h30 será celebrada uma missa de corpo presente e às 19h o cortejo fúnebre seguirá para o cemitério Morada da Paz.

Temer move seu xadrez para tentar fugir de Janot na Câmara

El País
Mal Michel Temer teve a certeza de que se livraria da cassação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o xadrez político de Brasília já armava sua próxima jogada: a de livrá-lo da ameaça que a investigação da Procuradoria-Geral da República representa a seu mandato. Rodrigo Janot se prepara para encaminhar ao Supremo Tribunal Federal (STF) denúncia, ou seja, o pedido formal de abertura de ação, contra Temer por crimes de corrupção passiva, obstrução à investigação e participação em organização criminosa, ligados à delação da JBS. Mas caberá à Câmara dos Deputados autorizar a abertura do processo. E as negociações nos bastidores seguem a passos largos para evitar isso e qualquer traição dos seus atuais aliados.
A expectativa no Congresso é que o pedido de Janot seja feito já na próxima semana. Ele seguirá, então, para a Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, onde o presidente, Rodrigo Pacheco (PMDB-MG), terá de designar um relator. A defesa terá o prazo de dez sessões para apresentar seu posicionamento e, depois, o relator apresentará seu parecer em até cinco sessões, antes de o restante do colegiado votar.
Todos esses prazos, entretanto, são máximos. E o Governo Temer trabalha para transformá-los em mínimos. Quer acelerar o processo para evitar que sua situação se complique com fatos novos, como a eventual delação de Rodrigo Rocha Loures, braço direito do presidente que foi preso após ser flagrado recebendo propina da JBS, ou do doleiro Lúcio Funaro, ligado ao PMDB.

Governo do Estado solta nota pela morte da ex-governadora Wilma de Faria

O Governo do Estado lamenta, com profundo pesar, o falecimento da ex-governadora Wilma de Faria, que conduziu o Rio Grande do Norte por dois mandatos consecutivos, de 2003 a 2010. Mossoroense, ela foi uma das mais relevantes mulheres da política nacional e tornou-se referência da força feminina, vindo a ser a primeira prefeita de Natal e primeira mulher a governar o estado.
Wilma de Faria foi deputada federal constituinte, secretária de estado, vice-prefeita da capital e, mais recentemente, ocupava uma cadeira na Câmara Municipal de Natal.
Mestre em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, foi professora do Departamento de Educação do Centro de Ciências Sociais e Aplicadas da mesma universidade. Sobrinha-neta do ex-governador Dinarte Mariz, Wilma de Faria entrou para a vida pública como primeira-dama do Rio Grande do Norte, em 1979.
Wilma de Faria deixa quatro filhos – entre eles, a deputada estadual Márcia Maia.  O velório será na Pinacoteca do Estado (Palácio Potengi), a partir das 8h desta sexta-feira. O Estado irá decretar três dias de luto oficial pelo falecimento da ex-governadora.
O governador Robinson Faria, o vice-governador Fábio Dantas, secretários de estado e servidores, expressam suas condolências aos familiares nesta hora de profundo pesar.

quinta-feira, 15 de junho de 2017

MUITO BOM: Fábio Faria consegue liberação de R$ 150 milhões para Saúde do RN

Finalmente uma notícia excelente para a nossa saúde.
Depois de diversas audiências em Brasília durante meses, o Ministério da Saúde publicou a portaria número 1.478 que libera, para a Secretaria Estadual de Saúde do Rio Grande do Norte, o montante de R$ 150 milhões para o serviço de atenção de média e alta complexidade ambulatorial e hospitalar. “Excelente notícia para o nosso Estado que está em calamidade pública na Saúde. Buscamos e conseguimos esses recursos que chegam para atender todo o RN e para ajudar a salvar vidas de quem depende do serviço público”, comentou deputado federal Fábio Faria, parlamentar que defendeu em Brasília este pleito.
O repasse federal de R$ 150 milhões, que já foi liberado, será feito pelo Fundo Nacional de Saúde em três parcelas mensais. A primeira já foi publicada nesta quarta-feira (14). “Lutamos em Brasília por esses recursos nas várias audiências que fui com o governador Robinson Faria, o secretário George Antunes e parlamentares da bancada do RN. Quero agradecer a atenção do ministro da Saúde, Ricardo Barros, do ministro Antonio Imbassahy, do presidente Michel Temer e do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que muito nos ajudaram na realização desse sonho”, afirma o deputado, que já destinou este ano emenda R$ 3 milhões para o Hospital Walfredo Gurgel e todos os anos ajuda entidades potiguares, como a Liga Contra o Câncer, com R$ 1 milhão.
O Fundo Nacional de Saúde adotará todas as medidas necessárias para a transferência, regular e automática, para o Fundo Estadual de Saúde e para os Fundos Municipais de Saúde no Rio Grande do Norte.
Com esse dinheiro o governo do estado consegue colocar ordem na pasta, deve conseguir colocar as cooperativas em dia, os prestadores de serviço e inaugurar os 60 leitos de UTI anunciados o mês passado.